notícias

Produtor da GTFoods bate recorde em conversão e conquista R$ 1,41 por frango

13/04/2017/ | Categoria: Avicultura

Adriano Vieira dos Santos iniciou a produção em 2016 e possuí três aviários com 66.400 mil frangos de corte Arquivo Pessoal. Os avicultores paranaenses estão empenhados em manter um bom índice de conversão alimentar. Dessa vez, foi na cidade de Iporã, no Paraná, que o produtor Adriano Vieira dos Santos ultrapassou o recorde de Cafelândia e conquistou R$ 1,417 por cabeça de frango com Conversão Alimentar (CA) de 1.631 kg e peso final de 3.841 kg.

Vieira dos Santos, que iniciou a produção em 2016, e possuí três aviários com 66.400 mil frangos de corte, mostrou-se atento ao que diz respeito a manejo e nutrição alcançando números que agradaram não apenas o produtor mas também a integradora GTFoods.

Adriano Vieira dos Santos conquistou R$ 1,417 por cabeça de frango com Conversão Alimentar (CA) de 1.631 kg e peso final de 3.841 kg. O avicultor reconhece o apoio indispensável da integradora que acompanha as produções e oferece um manual de manejo onde os produtores seguem rigorosamente todos os passos para chegar a resultados satisfatórios. “Estou muito contente, principalmente pela empresa que tem contribuído para produzir um frango de qualidade e alcançar estes resultados”, ressalta Vieira dos Santos.

Além do manual que auxilia os processos de manejo, a GTFoods também fornece aos mais de 900 aviários integrados material genético de qualidade, assistência técnica e veterinária, ração peletizada com níveis nutricionais para alta performance. “A empresa segue com rigoroso controle de qualidade em todas as matérias-primas para a fabricação da ração”, diz Edmarcio Mazzocut, Coordenador de Fomento da GTFoods.

Para conseguir resultados como este, a GTFoods explica que equipamentos de qualidade são essenciais, principalmente relacionados a ambiência inicial e final. “Porém, a dedicação e o comprometimento do integrado são fundamentais, além de sempre atender a orientação dos técnicos da integradora e investir no aviário”, acrescenta.